Categorias

Aproveite o post

Curiosidades

Curiosidades sobre a culinária mineira 

Curiosidades sobre a culinária mineira

O estado de Minas Gerais é bastante conhecido por sua natureza exuberante, suas cidades históricas e pela gastronomia, que, apesar de simples, é muito saborosa. A culinária mineira possui uma diversidade de pratos, com ingredientes tradicionais do meio rural, que remontam elementos históricos e culturais do estado.

Neste post, vamos conhecer um pouco mais sobre a culinária mineira e suas curiosidades.

 

Origem da culinária mineira

A origem da culinária mineira remete a dois fatores históricos que marcaram a economia, a vida social, política e cultural de Minas Gerais: o ciclo do ouro e a “ruralização” do estado.

No final do século XVII e início do século XVIII, a busca pelo ouro atraiu para Minas Gerais pessoas de diversas origens. Além dos índios, nativos da região, vieram para o estado muitos bandeirantes paulistas, tropeiros gaúchos, trabalhadores braçais do norte e nordeste, representantes da coroa, nobres portugueses e escravos trazidos de vários países, todos em busca de riqueza.

 

Miscigenação e heranças culturais

Foi essa miscigenação que deu origem às primeiras cidades do estado e, é claro, à culinária mineira. Receitas trazidas de todos os lugares sofreram adaptações de acordo com a disponibilidade de ingredientes, as limitações locais e as necessidades da nova população.

O modo de vida na época influenciou o preparo de diversas receitas. Muitos homens exploravam as terras, enquanto alguns realizavam trabalhos braçais pesados, outros eram responsáveis por transportar, em longas viagens, as riquezas ao Rio de Janeiro. Por isso, os pratos precisavam ser substanciosos e fornecer bastante energia para os trabalhadores e os viajantes, como foi o caso do feijão tropeiro.

 

Agricultura e mineração

Além disso, a agricultura local ainda era primitiva, havendo pouca variedade de ingredientes. De tal forma, muitas receitas foram adaptadas utilizando os ingredientes locais, como a mandioca cultivada pelos índios e a taioba, que, embora seja muito comum nos pratos mineiros, é ainda considerada como uma planta alimentícia não convencional (PANC) no resto do país.

Com o passar dos anos, houve o declínio da mineração, sucedido pelo processo de “ruralização” do estado de Minas Gerais. Foi o momento em que houve maior concentração da vida econômica e social nas fazendas, que durou do final do século XVIII ao início do século XX.

Houve o crescimento das produções agrícolas, da pecuária e da produção de queijo. Como consequência, a culinária mineira foi sendo apurada nas cozinhas das fazendas. Nesse período, as receitas e técnicas utilizadas nas cozinhas foram passadas pelas famílias, de geração em geração, constituindo assim mais de 300 anos de história e tradição.

 

Ingredientes da culinária mineira

Assim como na história da formação de Minas Gerais, a culinária mineira possui grande influência da miscigenação dos povos. Seus principais pratos e ingredientes têm origens indígenas, africanas, portuguesas, com influências das culinárias típicas de outros estados brasileiros.

Dos indígenas, a culinária mineira herdou o escaldado, o pirão, as farofas, a paçoca, os pratos à base de mandioca e milho, que dão origem também às papas, caldos, mingaus, canjicas, pamonhas, biscoitos e cuscuz. Dos portugueses, o ovo de galinha, que era usado em fritadas, doces, bolos, e também inserido nos pratos como ovo cozido, estrelado, quente, mole e em gemadas.

Dos escravos e dos sertanejos, a culinária mineira herdou receitas com rapadura, melado e farinha, também difundidas entre caçadores e romeiros. Mais tarde, o melado e o queijo deram origem às sobremesas típicas da região, como as geleias, a goiabada com queijo, doce de leite, marmeladas e bananadas.

Também estão entre os principais ingredientes da culinária mineira o feijão, a taioba, o chuchu, o quiabo, a abobrinha, o inhame, a couve, o ora-pro-nóbis, além das carnes de porco, vaca, frango, que deram origem a diversos pratos. Entre eles, podemos citar o feijão tropeiro, torresmo, angu, leitão à pururuca e o famoso frango com quiabo.

 

Pratos tradicionais da culinária mineira

O cardápio mineiro possui muitos pratos saborosos, que compreendem tira-gostos, refeições principais e sobremesas. Conheça alguns dos pratos tradicionais da culinária mineira:

 

Pão de queijo

Apesar de ser uma receita típica de Minas Gerais, não se tem certeza da origem do pão de queijo. Esta iguaria consiste em um tipo de biscoito de consistência macia e elástica feito com polvilho acrescido de ovos, sal, gordura e queijo. Existem diversas variações da receita, em que podem ser utilizados o polvilho doce ou azedo, gordura vegetal ou animal, queijos variados, entre outras opções. Além disso, há combinações de pão de queijo com diversos recheios, doces e salgados. É normalmente servido como tira-gosto.

 

Pastel de angu

Também servido como tira-gosto, o pastel de angu é uma iguaria que tem origem na culinária dos escravos. Sua massa é preparada com uma mistura de fubá e água, e seu recheio tradicional é o guisado vermelho. Com o tempo, a receita ganhou algumas variações, sendo comum encontrarmos pastéis de angu recheados com carne moída, frango ou queijo.

 

Torresmo 

Uma iguaria simples, de fácil preparo, o torresmo consiste em pequenas tiras de pele de porco com gordura, fritas até ficarem crocantes. Pode ser servido como tira-gosto ou acompanhamento de refeições principais.

 

Feijão tropeiro

O feijão tropeiro surgiu no período colonial, durante o ciclo do ouro, quando os comerciantes transportavam as mercadorias por meio de tropas de cavalos. Como realizavam longas viagens, precisavam se alimentar de algo substancial, com alto valor energético, de fácil transporte e que não estragasse com a viagem.

Alimentavam-se então de uma mistura de feijão, farinha de mandioca, torresmo, ovo, cebola, alho, couve e especiarias. O nome feijão tropeiro surgiu como referência aos membros das tropas. Pode ser servido como refeição principal ou acompanhamento.

 

Frango com quiabo

O frango com quiabo foi introduzido na culinária mineira por meio dos índios, mas tem também influências portuguesas e africanas. Na receita original, o frango é cozido com especiarias, cheiro verde e quiabo e é servido com angu.

 

Vaca atolada

Um prato comum de regiões com temperaturas mais frias, a vaca atolada tem como principais ingredientes a costela bovina e a mandioca. Seu nome surgiu em função do modo como o prato é servido, em que a carne fica imersa em meio à mandioca.

 

Doce de leite

Uma das sobremesas tradicionais em Minas Gerais é o doce de leite, que pode ser servido com queijos e bolos. É feito com leite e açúcar aquecidos, podendo ser incrementados com especiarias.

 

Romeu e Julieta

É uma sobremesa preparada à base de queijo e goiabada. Pode ser apresentada no formato original, em barra, ou em forma de torta, mousse, compota, rolinhos, entre outras.

 

Vale ressaltar que, além dos pratos citados, o estado de Minas Gerais também tem tradição na produção de café e de queijos. A culinária mineira tem inúmeras receitas de dar água na boca.

O guia de restaurantes do aplicativo Duo Gourmet possui uma seleção especial de restaurantes que servem com excelência a culinária mineira. Além de receber ótimas indicações, você pode pedir um prato e ganhar outro de igual ou menor valor como cortesia. Baixe gratuitamente o aplicativo no Google Play ou no App Store, assine e aproveite!

Related posts

Deixe uma resposta

Required fields are marked *