Categorias

Aproveite o post

Vinhos e Comida: 8 dicas para uma harmonização perfeita
Harmonizando

Vinhos e Comida: 8 dicas para uma harmonização perfeita 

Saborear um bom vinho já é bom, imagine saber combiná-lo com uma boa refeição! A harmonização de vinho e gastronomia é uma arte e garantimos que a união certa pode transformar um simples jantar em um momento inesquecível! 

A harmonização dos sabores, aromas e texturas podem despertar sensações deliciosas e surpreender o paladar dos seus convidados. Assim, pode tornar especial aquele encontro de amigos, de colegas de trabalho ou jantar romântico. Mas isso requer um pouco de prática! Esteja atento às características dos vinhos e como reagem ao paladar. 

Basicamente você deve ficar atento para adequar o peso do vinho com o peso do prato. Ou seja, um prato de sabor mais consistente e pesado harmoniza melhor com um vinho encorpado. Já uma receita de peso médio, vai bem com um rótulo igualmente de peso médio. E, seguindo a lógica, uma mais leve combina com vinhos também mais leves.

Vamos agora as 8 dicas que vão te ajudar a conquistar o paladar dos convidados ou surpreender aquela pessoa especial na hora do jantar romântico!

Dicas para harmonização

1 – Vinho com molho para carne branca

Se você pretende fazer uma receita com aves ou peixes e utilizar molho pomodoro, por exemplo, ou um molho de ervas, escolha o vinho tinto seco. Para que a bebida não tire o brilho do prato, escolha um rótulo mais leve e com um toque de acidez, como um Pinot Noir jovem.

Essa dica pode ser usada em qualquer prato que leve molho. Uma massa com cobertura de um queijo brie ou camembert pode ser harmonizada com um tinto com estrutura mediana, um Cabernet Franc ou um Merlot certamente é uma ótima pedida.

2 – Harmonização: Vinhos para pratos salgados e doces

O sal é um componente que harmoniza muito bem com a maior parte dos rótulos que temos mais costume. Ele ajuda a suavizar alguns dos elementos mais difíceis de harmonizar, como ovos e cogumelos, por exemplo. Por isso, sempre que o sal estiver em destaque no prato escolhido, prefira os espumantes brut ou demisec. Pois o doce delicado das bebidas vão ajudar a equilibrar. Nessa combinação o vinho ficará mais agradável, com sabor mais rico, menos amargo e com menos acidez.

O açúcar também é um elemento importante para a combinação correta. Mas ele também pode ser um vilão para a maioria dos vinhos, principalmente os secos. Então a dica preciosa para não ter erro nessa harmonização é acompanhar a sobremesa ou doces em geral com vinhos que sejam igualmente doces.

3 – Vinhos para receita com alto nível de acidez

Tão importante quanto saber combinar o vinho com pratos salgados e doces, harmonizar corretamente as receitas ácidas vai trazer ótimos momentos de sabor à mesa. 

Os pratos de teor ácido devem ser acompanhados por vinhos ácidos. Pois a acidez dos alimentos é equilibrada com a acidez do vinho. Nesse caso, o gosto frutado e a doçura da bebida ficam realçados, enquanto a acidez suaviza. Caso o prato não seja combinado corretamente, o vinho parecerá sem sabor e sem graça. 

4 – Vinhos para receitas com alto nível de amargor 

Para harmonizar as receitas de sabor mais amargo, a recomendação é contrária ao das receitas doces e ácidas. O correto no caso é acompanhar estes pratos com vinhos brancos ou tintos com baixos níveis de taninos. Pois se você usar um vinho amargo, o sabor somará ao amargor do prato e o resultado será ainda mais amargo! Então tome cuidado e escolha o vinho certo para impressionar positivamente os seus convidados!

5 – Harmonização: Vinhos tintos e brancos para carnes 

Se a opção do jantar for um prato com molho de carne moída, almôndegas ou uma carne de panela não muito temperada, neste caso podemos considerar que são carnes não muito pesadas e com sabores não muito intensos. Para estas receitas, os vinhos mais indicados são um vinho tinto igualmente leve, de sabor não muito intenso: Pinot Noir e Merlot são boas opções!

No entanto, se preferir apreciar uma picanha assada com aquela suculenta e grossa camada de gordura, elevamos o peso da carne e a intensidade de sabor. Então, neste caso, as melhores opções seriam os Cabernets, Tannats, Syrahs, mais encorpados e de sabor intenso.

A mesma lógica pode ser aplicada também às carnes brancas como peixe cru ou grelhado, que possuem sabor mais delicado e mais leve do que um risoto de frutos do mar, por exemplo. Dessa maneira, o primeiro pede um vinho mais leve e rico em aromas, como um Sauvignon Blanc, enquanto para a segunda opção poderá ser harmonizado com uma taça de Chardonnay com passagem por carvalho.

A dica importante para o preparo das carnes é que o peso e o sabor do vinho acompanhem o da comida. Uma das maneiras de mensurar isso é observando a quantidade de gordura e condimentos do prato.

6 – Vinhos para receitas com altos níveis de gordura 

Receitas mais gordurosas e oleosas podem ficar menos ‘pegajosas’ no paladar se combinadas com vinhos de acidez elevada. A acidez alivia boa parte da gordura na boca, limpa o palato e oferece uma sensação mais agradável. 

7 – Harmonização: vinhos para receitas picantes 

As receitas apimentadas e picantes requerem muito cuidado na hora da harmonização. Escolher vinhos com sabores intensos de álcool podem deixar os pratos ainda mais ardentes. E os vinhos podem tornar-se mais amargos e ácidos. Além disso, podem ter seus sabores frutados e a sensação de corpo diminuídos.

Então, para que você não passe vergonha com seus convidados, a dica preciosa para os pratos picantes é harmonizá-los com vinhos de baixo teor alcoólico, mais ricos em doçura e sabores frutados. No caso dos tintos, o ideal é optar por vinhos com baixos níveis de taninos.

8 – Vinhos harmonizados por semelhança ou contraste

Se você chegou até aqui, essa dica pode parecer estranha, mas combinar um vinho doce com um prato extremamente salgado como o queijo gorgonzola, por exemplo, é delicioso. 

Basicamente, existem duas formas de combinar vinhos e pratos: por semelhança — como aquela dos vinhos doces com sobremesas no início do texto — ou por contraste. Caso ainda não tenha experimentado a última, experimente! 

E para concluir, lembre-se que a harmonização de vinhos é uma arte que requer prática! Se você for um iniciante e quiser evitar possíveis decepções, não ofereça a seus convidados um vinho que você não conheça bem ou uma receita que não domina. Faça testes das possíveis combinações antes. Mas se a proposta do encontro é experimentar, fique à vontade e aproveite os momentos divertidos no jantar casual entre família e amigos!

 

Related posts

Deixe uma resposta

Required fields are marked *