Categorias

Aproveite o post

Curiosidades

Primeiros passos: o que você precisa saber sobre culinária japonesa 

Primeiros passos: o que você precisa saber sobre culinária japonesa

Você sabia que o Japão é popularmente conhecido como a terra do sol nascente? Isto porque se localiza no leste da Ásia Oriental, que, de acordo com o movimento de rotação realizado pela Terra, é a direção em que o Sol nasce para nós.

O Japão é um país independente composto por um arquipélago com mais de seis mil ilhas. É conhecido por possuir a décima maior população mundial, com cerca de 128 milhões de habitantes, e também a maior expectativa de vida do mundo, de acordo com as estimativas da ONU.

 

Alimentação e longevidade

Grande parte da longevidade dos japoneses se dá pelos cuidados que têm com a mente, o corpo e, em especial, com a alimentação. A culinária tradicional japonesa é bastante equilibrada em nutrientes e, por isso, considerada saudável, além de muito saborosa. Não é à toa que a culinária japonesa é bastante difundida em todo o mundo e tem ganhado cada vez mais espaço entre os brasileiros.

Neste post, separamos para você algumas curiosidades sobre a culinária japonesa. Acompanhe!

Um pouco de história

Para chegar aos pratos típicos que conhecemos atualmente, a culinária japonesa passou por grandes transformações em função de aspectos políticos e sociais ao longo da história.

Na antiguidade, a culinária japonesa era bastante rudimentar. Isto porque o Japão se constitui de um conjunto de ilhas afastado de outras terras e, em função disso, os ancestrais dos japoneses sobreviviam da caça, pesca e coleta. Somente nos períodos Jomon e Yayoi, o arroz foi introduzido e utilizado como moeda para comercialização. Também não havia abastecimento de água nas casas, por isso, era comum que os alimentos fossem cortados na área externa, lavados em riachos e depois levados para casa.

 

Influências estrangeiras

Com as grandes navegações, no século XV, foram introduzidos no Japão elementos de culturas estrangeiras, em especial, portuguesa e espanhola. Passaram a fazer parte da culinária japonesa alimentos como a carne, milho, batata-doce, doces, entre outros. No entanto, no período Edo, de 1603 a 1868, o governo passou para as mãos dos militares da família Tokugawa, que fecharam os portos e impediram os estrangeiros de praticar seus costumes. Nessa época, a culinária japonesa voltou a ser tradicional, apenas algumas receitas permitiam a carne, mas o peixe era um dos mais consumidos. Foi nessa época que foi criado o sushi. E, no período Menji, de 1868 a 1912, os portos foram reabertos, e o Japão passou por um momento de grande modernização. Os japoneses adquiriram novos hábitos e técnicas de preparo dos alimentos. Para os mais ricos, a cozinha passou a receber gás natural e água canalizada.

Durante a segunda guerra mundial, o Japão passou por um período de fome e escassez de comida. No entanto, após a guerra, conseguiu se recuperar. Com a industrialização e o crescimento da economia, as cozinhas japonesas se tornaram mais modernas e passaram a ter maior influência da cozinha ocidental, como o consumo de carnes, frios, produtos como o bacon, o lámen e frituras. Nessa época também chegaram ao Japão as primeiras redes de fast foods. Atualmente, a culinária japonesa mistura elementos orientais e ocidentais, no entanto, entre os pratos típicos, prevalecem os peixes, frutos do mar, algas marinhas, arroz e vegetais.

Duo Gourmet

Pilares da culinária japonesa

Os números têm grande significado e simbolismo nas culturas orientais. Na gastronomia, destaca-se o número cinco, que compõe os pilares da culinária japonesa.

O primeiro é o pilar dos cinco sentidos. Na cultura japonesa, o alimento deve ser apreciado através de todos os cinco sentidos. O paladar e o olfato são os grandes responsáveis pela nossa percepção da comida. No entanto, a visão e a audição tanto no momento do preparo quanto no momento de saborear a comida estimulam o prazer na hora da degustação, bem como o tato, que diz respeito às texturas dos alimentos e das louças e utensílios.

O segundo é o pilar das cinco cores. Na culinária japonesa, prevalecem as cores branca, preta, vermelha, verde e amarela, que, além de trazer estímulo visual, agregam grande valor nutricional aos pratos. Essas cores são influências budistas que também podem ser vistas nas arquiteturas dos templos, cerâmicas e artes.

O terceiro é o pilar dos cinco sabores. A culinária japonesa procura explorar os sabores salgado, doce, azedo, amargo e umami nas refeições. O Umami foi descoberto no início do século XX. Seu nome vem da palavra japonesa umai, que significa delicioso e se refere aos alimentos que contêm glutamato tais como carnes, peixes, laticínios e legumes. Possui um gosto residual suave e duradouro.

O quarto é o pilar das cinco maneiras de preparação dos alimentos. Podem ser cruz, cozidos, fritos, assados ou grelhados. Quando somadas estas cinco formas de preparação, tornam a experiência gastronômica da refeição completa.

Por fim, o quinto pilar são as cinco atitudes. Na doutrina budista, há cinco atitudes básicas que devem prevalecer durante uma refeição: refletir sobre o trabalho realizado até a comida chegar à mesa, sobre merecer a refeição, limpar a mente de pensamentos egoístas ao saborear a comida, refletir se o alimento em questão é saudável para o corpo e aceitar o alimento com gratidão.

 

Ingredientes típicos

A culinária japonesa possui uma grande diversidade de pratos. Entre os principais ingredientes, estão os peixes, as algas e frutos do mar que existem em abundância no país devido ao fato do Japão ser composto por um grupo de ilhas. Estes ingredientes destacam-se em pratos típicos como o sushi e o sashimi. As carnes bovina, suína e de frango só foram introduzidas na culinária japonesa após a abertura dos portos para o Ocidente.

Também são comuns pratos que utilizem como base o arroz, a soja e seus derivados, como o tofu e o molho shoyo, e temperos como wasabi (semelhante à raiz forte), karashi (mostarda) e dashi (caldo de peixe).

Pratos típicos

Entre os pratos tradicionais japoneses, podemos citar:

Gohan — também chamado de nihon mai ou arroz japonês, é consumido diariamente pelos japoneses e utilizado em várias receitas. É um pouco diferente do arroz produzido no Brasil, sua plantação é feita em grandes quantidades de água.

Tempura — introduzido pelos jesuítas portugueses no século XVI, o tempura sofreu algumas adaptações até se tornar da forma como conhecemos hoje. É feito com pedaços de vegetais ou frutos do mar envoltos em uma massa e fritos.

Sushi — apesar de ser um dos pratos japoneses mais conhecidos, o sushi, na verdade, possui origem chinesa. É um bolinho feito com arroz, algas e temperos variados como peixe cru, frutas, vegetais, frutos do mar, dentre outros.

Sashimi — prato típico com pedaços de peixe ou carne crua fatiados, normalmente, acompanhados de alga, molho shoyo ou wasabi.

Missoshiru — também conhecido como sopa de missô, é um prato típico feito com soja, tofu, hondashi e cebolinha. É servido em uma pequena tigela pequena no café da manhã, almoço ou jantar.

 

Estes são apenas alguns dos pratos tradicionais japoneses. Além deles, existem muitos outros que não foram citados aqui, afinal a culinária japonesa é bastante variada. Conte pra a gente qual é o seu preferido e mande nos comentários outras curiosidades que não foram citadas por aqui, mas que merecem serem conhecidas! Até a próxima!

Related posts

Deixe uma resposta

Required fields are marked *